Mulher de calcinha

Pense bem, o que você sentiria se a gata, no momento de maior tesão, coloca as mãos na sua virilha ao invés de colocar a mão no seu amigo de todas as horas. Pois é. É quase isso que você faz com ela, quando, nas preliminares, beija, abraça, acaricia e na hora do clímax....na trave, você tenta, tenta mas não acha aquele botão mágico que faz a mulher te olhar de um jeito diferente, como se você tivesse achado um grande tesouro.

Primeira situação que você precisará enfrentar é descobrir aonde ele se encontra. E o brinquedo mais legal que qualquer homem tem. Tem seus subterfúgios, suas armadilhas e, provavelmente, você irá confundir o botão mágico com alguma outra parte da vagina da gata. As gatas do DF são safas, mas vai que você não pega uma gata tão bem resolvida com seu corpo? E é ai que ela poderá não mais chegar “lá”. A frustração de não ter a sensibilidade de perguntar se está certo pode fazer a sua transa ser abaixo da crítica. Você nem começou a liga-la e já começou o processo de desligamento.

Humildade é tudo

Ou seja, perguntar nem sempre é problema. Afinal, ela sabe onde tá o segredo da questão, você...não! Então seja humilde, lembre que qualquer mulher quando se entrega a um homem, mesmo sendo profissional do assunto, quer gozar, que sentir calafrios, os choques do prazer, do orgasmo total. Lembre-se que meter não é tudo, é parte do processo e nem sempre significa tudo isso, principalmente se o pré-sexo não for lá essas coisas. Ela pode tá molhada, te apertando ou qualquer situação semelhante, mas não será 100% se você não achar aquilo que você nunca saberá o que é.

Não saberá o que ela sente. E sente muito. Ah, se sente. Basta olhar para as feições da sua mulher, seja ela quem for, quando estiver gozando. Ela vai se dobrar, contrair a barriga, revirar os olhos, irá querer berrar o mais alto possível e melhor. O gozo dela vai estar acontecendo enquanto você já vai estar de pau na mão. Ou seja, nesse momento, o que vier é lucro, foi bom pra todo mundo, mas pra ela, foi FODA, que foda!

Não se esqueça de que não há nada errado em não saber. Mas há muito errado em achar que sabe e não ter vontade de aprender de verdade. Mulher não vem com manual, mas o diálogo é o início de tudo. Depois, é só pensar num bom vinho. A necessidade de ambos se completa no ato. Ou seja, experimente experimentar!